27 de maio de 2006

O Santo Padre Bento XVI, durante a sua peregrinação apostólica à Polónia, visitou o Santuário da Divina Misericórdia, em Cracóvia. Encontrou-se aqui com pessoas doentes, com deficiência, com os que se ocupam por eles e com apóstolos da Divina Misericórdia. Foi a terceira visita que a cabeça visível da Igreja fez ao Santuário de Lagiewniki, depois das peregrinações do Servo de Deus João Paulo II nos anos de 1997 e 2002.
Bento XVI visitou em primeiro lugar a capela das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, onde se encontrou com as irmãs religiosas de Santa Irmã Faustina e venerou as suas relíquias sob a imagem de Jesus Misericordioso. Em seguida dirigiu-se à Basílica da Divina Misericórdia onde dirigiu palavras calorosas às pessoas tocadas pela cruz da doença e do sofrimento. No fim, dirigiu-se até à capela da Adoração Perpétua onde, em atitude de oração, confiou a Deus todos os problemas da Igreja e do mundo.
A preparação para esta celebração durou vários meses. Na véspera deste acontecimento único foi colocada a estátua de João Paulo II na torre panorâmica, enquanto que no próprio dia da visita, desde madrugada os fiéis permaneceram em atitude de oração enquanto esperavam tão desejado visitante. O santuário tem a secreta esperança de que o Papa Bento XVI volte a visitar este lugar escolhido por Deus para mais uma vez se encontrar com os adoradores e apóstolos da Divina Misericórdia.
Saudação ao Santo Padre Bento XVI
do Cardeal Stanisław Dziwisz
Caríssimo Santo Padre,
Gostaria de dar-lhe as boas-vindas aqui, a Łagiewniki, onde há quatro anos o seu Antecessor confiou o mundo à Divina Misericórdia.
O meu coração alegra-se com a sua presença neste lugar tão especial para a Igreja de Cracóvia, da nossa pátria e de todo o mundo. Este centro do culto à Divina Misericórdia, constantemente em expansão, é não só um sinal da bênção de Deus, mas também um indicador do atual e do futuro caminho da Igreja.
As pessoas doentes e em sofrimento que hoje se juntaram neste santuário são como uma imagem eloquente do homem que necessita de misericórida: misericórdia do próprio Deus e do coração misericordioso dos outros.
Santo Padre, pedimos-lhe que abençoe a partir deste local todos aqueles que carregam uma cruz; abençoe todos os cireneus e peça connosco ao Deus três vezes Santo que não nos cansemos de transmitir o fogo da Misericórdia Divina ao mundo.
Discurso do Santo Padre
Caríssimos irmãos e irmãs!

É-me grato encontrar-me convosco por ocasião da minha visita a este Santuário da Divina Misericórdia. Saúdo todos vós do íntimo do coração: os doentes, os assistentes, os sacerdotes que neste santuário se dedicam ao serviço pastoral, as religiosas da Bem-Aventurada Virgem Maria da Misericórdia, os membros do "Faustinum" e todos os outros.

Nesta circunstância, encontramo-nos diante de dois mistérios: o mistério do sofrimento humano e o mistério da Divina Misericórdia. Após um primeiro olhar, estes dois mistérios parecem opor-se um ao outro. Mas quando procuramos aprofundá-los à luz da fé, observamos que eles se colocam numa harmonia recíproca. Isto graças ao mistério da Cruz de Cristo. Como disse aqui João Paulo II, "a cruz "é a mais profunda inclinação da Divindade sobre o homem... A cruz é como um toque do amor eterno nas feridas mais dolorosas da existência terrena do homem"" (17 de Agosto de 2002). Vós, queridos doentes, assinalados pelo sofrimento do corpo ou da alma, estais mais unidos à cruz de Cristo, mas ao mesmo tempo sois as mais eloquentes testemunhas da misericórdia de Deus. Através de vós e mediante o vosso sofrimento, Ele debruça-se sobre a humanidade com amor. Sois vós que, dizendo no silêncio do coração: "Jesus, confio em Vós", nos ensinais que não há uma fé mais profunda, uma esperança mais viva e um amor mais ardoroso do que a fé, a esperança e o amor daqueles que, na angústia, se colocam nas mãos seguras de Deus. E as mãos de quem vos ajuda em nome da misericórdia sejam uma prolongação destas grandes mãos de Deus.

Gostaria muito de abraçar cada um e cada uma de vós. Embora isto, de modo concreto, seja impossível, estreito-vos espiritualmente ao meu coração e concedo-vos a minha Bênção, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.